Lindoso – A Igreja como arma

Esta entrada é parte 18 de 27 na série Lindoso

Depois de as partes terem concordado na nomeação de uma comissão de negociações que regularia as expropriações restantes, as coisas pareciam encaminhadas para um fim, não diria feliz, mas pelo menos, o mais feliz possivel; Isto é: “perdido, mas bem pago!”. Pois era um perfeito engano pensar assim.laregiao13nov91_a Por um lado, a EDP queria acelerar o processo e não perder mais tempo. Por outro, a população sabia que poderia vir a tirar partido deste braço de ferro que travavam contra o gigante. Todas as armas eram válidas neste esgrimir desleal.  É sobretudo o traslado da Igreja que alimenta este impasse. EDP e “vecinos” acusam-se mutuamente de incumprimento do acordo establecido. Recorde-se que foi este acordo que pôs fim à ocupação da Casa Consistorial. O Tempo e o  Dinheiro eram os protagonistas principais…

 

laregiao13nov91_b

laregiao13nov91_c

laregiao13nov91_d

 

laregiao13nov91_e

laregiao13nov91_f

 

 

 

Ver mais da sérieLindoso – finalmente começavam os acordosLindoso – o início dos pagamentos

Deixe uma resposta