Pelo vale de Vilameá até à Amoreira

Não. Não fomos ver se a fronteira estava aberta. Mas estava! O tempo é que não. Vá lá, …feito o balanço…até podia ter sido pior. Não choveu muito, mas as nuvens poucas tréguas davam àqueles picos mais altos – Baltar, Fitoiro, Pion de Paredes… Nem o Altar de Cabrões deu um arzinho da sua graça, permanecendo envergonhado e escondido “entre as brumas” da montanha. Valeu a companhia e o convívio saudável. Obrigado Companheiros.  Ah! já me esquecia! – Como não ia lá há muito tempo 🙂 , passei pelas Sombras!!!

5 comentários a “Pelo vale de Vilameá até à Amoreira

  1. Houve mais 2 que passaram sem controle a fronteira à socapa,enquanto o guarda estava à treta com o Zé Moreira,eh,eh,eh…
    Abraço,
    João Dias

  2. Pois,mas houve muita contenção e moderação da parte do guarda da fronteira da Amoreirinha na elaboração do relatório.

    Embora a gente lamente o que nos vai na alma por ter que pagar mais esta factura que o comum cidadão não encomendou.Portugal tem boca de rico e carteira de pobre,piores dias virão em breve,enfim é o Pais que temos….

    Abraço

Deixe uma resposta