Raízes no Lindoso

DSCF1412

DSCF1411

Foi plantada e cresceu. Foi decepada. Perdeu a terra. A seiva esvaiu-se. As raízes mantêm-se…e ainda está presente…

DSCF1419Lembrei-me dos versos de Carlos Oliveira cantados por Manuel Freire.

Não há machado que corte
A raiz ao pensamento
Não há morte para o vento
Não há morte

Se ao morrer o coração
Morresse a luz que lhe é querida
Sem razão seria a vida
Sem razão

Nada apaga a luz que vive
No amor num pensamento
Porque é livre como o vento
Porque é livre

Fotos da Albufeira do Lindoso na zona Galega – localidade de Aceredo, actualmente sob as águas


Deixe uma resposta