A Loita pola terra

«Vendo-os assim tão pertinho
A Galiza mail’o Minho
são como dois namorados
Que o rio traz separados
Quase desde o nascimento!
Deixal-os, pois, namorar,
Já que os paes para casar
Lhes não dão consentimento»

João Verde – poeta monçanense

«Si Dios os fixo de cote
Un pra outro e tenem dote
En terras emparexadas
Pol’a mesma auga regadas
Com ou sin consentimento
D’ os pais o tempo ha chegar
En que tenãm que pensar
En facer o casamento».

Amador Saavedra – poeta galego

Dois poemas que resumem aquilo que é por demais evidente quando se percorrem essas terras do Gerês e do Xurés.

Na sua essência são as mesmas gentes, os mesmos hábitos a mesma cultura…as mesmas lutas!

a_loita

Deixe uma resposta