A Guarda da fronteira?

Mais uma caminhada iniciada na fronteira da Portela do Homem.
Mais um encontro confrangedor.
Uma cadelita, e pela qual nutro uma simpatia óbvia desde a primeira vez que a vi, apareceu ao fim de poucos minutos.
Vi-a pela primeira vez em finais de Novembro passado. Um sábado. Cedo pela manhã, estacionamos do lado Espanhol, que tem um parque e estacionamento assinalado – e porque a estrada do Gerês estava cortada e, simbolicamente, respeitamos a fita (simbólica), embora estivesse já rebentada(!) – da GNR, que interditava a fronteira.
Apareceu, gelada, tremendo, tímida e carente ao mesmo tempo. Aproximando-se, escorregando na neve que começava a gelar, carente de conforto e revelando uma desconfiança própria de quem já só pensa na sobrevivência, rondou-nos todo o tempo. Curiosa e esquiva a cada tentativa de aproximação, nunca se deixou tocar. Tinha coleira, facto que me incomodou ainda mais. Tinha dono e ninguém estava presente!
Estaria perdida? primeiro pensamento lógico.
Não.
De lógica não havia nada!
Estava (condenada a estar, digo eu, dada a quantidade de neve e gelo, à qual, manifestamente, demonstrava não estar habituada. Quem está, naquela sítio?) ali, simplesmente. Desapareceu em direcção ao edifício em obras(?), enquanto nos distraímos por breves instantes, começando a ladrar dentro das instalações.

Outras vezes que ali estacionei depois disso, voltei a sentir a sua presença.
Que fazia ali esta cadela? Quem tem a coragem de deixar “de guarda” uma cadela, não jovem, em auto gestão e isolada?

Hoje, ao chegar, a mesma recepção de sempre.

eufem

Uma mistura de segurança, de saber bem com o que lida, com uma insegurança própria de quem está carente! Um animal acossado e refém do destino. Nem doméstico, nem selvagem, o que é pior, penso eu.
Um abandonado de longa data que se radicou?
Um…
Basta de suposições. Será que alguém sabe o que se passa com este animal, se tem ou não um dono, ou melhor, se alguém o trata. e se alguém o trata, se o trata de forma digna?

Isto porquê?

Quando, numa breve inspecção de curiosidade pura, às “ruínas” das instalações da ex- GF e Fronteiras, deparo-me para maior surpresa minha, com alguns sacos de ração para cão vazios e com ar de terem ali sido depostos para que o cão (cadela) se alimente. Depois, uma manta velha, também estendida com ar de ser a cama improvisada por caridade.
Tem dono?
Tornou-se residente e vive da generosidade, de alguns?
Alguém me ajuda a saber se a cadela precisa de ajuda? ou “ajudamos o dono” a perceber isso?

Deixe uma resposta