Ermida do Xurés – os Sinos

HPIM1369

“A la esencia mágica de esta agua [águas quentes], derivada de su condición medicinal, hay que añadirle un papel relevante en la conservación de la cultura tradicional local, mediante su explotación económica que reportó una importante contribución a la gestión de las leyes comunitarias que rigieron la población de Riocaldo desde tiempos inmemoriales, y, desde diversos frentes: la conservación de la Ermita del Xurés, el arreglo de caminos parroquiales, la construcción de cabañas pastoriles, puentes y dixurros. Aun se recuerda como fue adquirida en Lisboa la campana pequeña del Xurés a principios de siglo con fondos comunitarios de los baños“…texto de D.José Lamela Bautista aqui

Curioso este excerto do texto de D. José Lamela Bautista , onde nos dá conta, entre outras coisas interessantes, do espírito comunitário destas gentes das terras da Baixa – Limia. Aproveitando esta informação sobre o sino, resolvi ir vê-lo mais de perto. Sem de modo algum por em causa as afirmações deste texto, e mesmo antes de ver “in loco” o dito sino, a sua aquisição em Lisboa parecia-me bizarra. Primeiro que tudo , porque muito mais próximo do que Lisboa, fica Braga e a  também porque a tradição da fundição sineira teve mais relevo no Norte. Mas tudo é possível. Que a aquisição tenha sido feita em Lisboa, tudo bem. Nada posso adiantar dado que não possuo elementos, nem os procurei, para poder afirmar tal coisa. Apenas posso constatar que a fundição foi de Leão & Filhos – Rio TInto – no ano de 1908, segundo a inscrição no próprio sino. Sempre pensei que poderia ser da famosa fundição Jerónimo, em Braga, famosa pelos seus relógios de torre e carrilhões. Não. Quanto à fundição não há dúvidas. Talvez outros factores, que não esta minha suposição lógica(?), tenham motivado a aquisição de um sino em Lisboa, tendo este sido fundido em RIo Tinto. Ainda gostava de conhecer a história…fiquei curioso!HPIM1365

HPIM1366

HPIM1367

HPIM1368

Por curiosidade relato um pequeno episódio passado no final de uma caminhada que terminava ali nas imediações da Ermida de Nosa Señora do Xurés. Estávamos prestes a arrancar no carro para descer até Vilaméa, quando um outro carro de matricula espanhola acabava de chegar ao local. Sai um individuo que se dirige à escada de acesso aos sinos, sobe e poê-se a tocar durante um ou dois minutos. A minha curiosidade levou-me a perguntar-lhe se havia alguma festa, funeral, enfim, perguntei-lhe porque tocara os sinos. Engraçada resposta: “Porque me deu as ganas..eheheeh” e continuou: “aqui cada um toca as campanas quando lhe dê nas ganas. Quando “queirades” tocai-os. É bonito… e a gente “gusta-lhe”., dizia-me ele com simpatia e num galego que sou incapaz de transcrever.

Muito admirado com o que acabava de ouvir, despedi-me, meti-me no carro e fui andando…

Por vezes, quando estou por ali, lá me lembro deste episódio…e vou eu dar uma badalada. Sabe bem!HPIM1113

1 comentário a “Ermida do Xurés – os Sinos

Deixe uma resposta